terça-feira, 2 de junho de 2009

Escolas para autismo

"Há cerca de 100 escolas preparadas para receber alunos com perturbações do espectro do autismo.
A notícia é esta:
«ME reforça apoio a alunos com necessidades educativas especiais O Ministério da Educação (ME) lançou diversas medidas no âmbito da Educação Especial, com o objectivo de criar condições nas escolas e nos agrupamentos para que os alunos com necessidades educativas especiais beneficiem de um apoio mais efectivo e eficaz.
Com este objectivo, o ME definiu redes de escolas de referência, destinadas aos alunos cegos e surdos, bem como unidades especializadas em perturbações do espectro do autismo e em multideficiência.
A criação de redes de escolas de referência permite uma melhor organização dos recursos humanos, materiais e didáctico-pedagógicos, essencial para responder, nas melhores condições, aos diversos tipos de necessidades destas crianças e destes jovens. Assim, a partir deste ano lectivo (2007/08), passam a existir 20 agrupamentos de referência para alunos cegos ou com baixa visão e, numa primeira fase, 22 agrupamentos num total de 72 escolas para estudantes surdos (profundos e severos), onde estes terão acesso ao ensino em Língua Gestual Portuguesa. Foi, ainda, criada uma rede de agrupamentos de escolas de referência para a intervenção precoce, que funcionará em 121 agrupamentos, com 492 educadores de infância, abrangendo cerca de 4400 crianças.
O número de unidades especializadas em multideficiência aumentou para 163, enquanto o número das especializadas em perturbações do espectro do autismo ronda as 100.
Com o objectivo de melhorar o serviço prestado no atendimento dos alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente, o ME apostou no reforço do número de técnicos existentes nas escolas.
Enquanto, no ano lectivo anterior, estavam nos estabelecimentos de ensino 153 terapeutas ocupacionais, fisioterapeutas, terapeutas da fala e formadores e intérpretes de Língua Gestual Portuguesa, neste ano lectivo esse número ascenderá aos 269 técnicos. Foram, também, criados 25 centros de recursos em tecnologias da informação e da comunicação para a Educação Especial, onde os alunos poderão contar com hardware e software adequado às suas necessidades específicas e, ainda, com materiais construídos e adaptados para estas crianças e para estes jovens.
O aumento da produção de manuais escolares em formatos acessíveis, previsto neste ano lectivo, também contribuirá para a melhoria do ensino dos alunos cegos ou com baixa visão.
Para os alunos surdos que frequentam a educação pré-escolar e os ensinos básico e secundário, será elaborado um Programa de Língua Gestual Portuguesa, língua materna das crianças e dos jovens surdos.
O desenvolvimento de um modelo de Centros de Recursos de Apoio à Inclusão no processo de reconversão das instituições de educação especial, que deverá ocorrer até 2013, permitirá proceder à transferência dos alunos que frequentam os estabelecimentos de ensino especial para as escolas do ensino regular, contando com o apoio dos recursos humanos e materiais existentes nas instituições que os acolhiam. A inclusão destes alunos nas escolas do ensino regular deverá processar-se de forma a garantir a todos os estudantes uma resposta às suas necessidades educativas em igualdade de circunstâncias.
Criação de um grupo de docência específico para os docentes da Educação Especial:
Para que os alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente possam beneficiar de um apoio mais adequado às suas necessidades específicas, o ME definiu novas regras para a colocação de docentes, que entraram em vigor no ano lectivo de 2006/2007.
De acordo com as novas regras que regem a colocação de docentes, os professores que dão apoio a alunos com necessidades educativas especiais de carácter permanente deixaram de ser destacados anualmente, para passarem a concorrer a um grupo de docência próprio, criado para o ensino especial.
Estes docentes passaram a ser colocados em vagas próprias, por agrupamentos, o que contribui para que haja uma melhor gestão dos recursos humanos pelas escolas. Assim, são os agrupamentos que gerem a distribuição do serviço lectivo a estes docentes, consoante as necessidades educativas dos alunos que frequentam os diversos estabelecimentos de ensino.
Com esta medida, a intenção foi estabilizar os docentes nas escolas, evitando milhares de destacamentos anuais, que colocavam em causa a continuidade do trabalho desenvolvido com estes alunos» (negritos meus)".

Julgamos importante, que os pais de crianças e jovens com autismo, em idade escolar saibam que existem apoios nas escolas, para que possam contactar o Ministério da Educação,"reclamando" os direitos e apoios para o seu filho e, perguntando quais esses direitos e apoios. A notícia acima referida pode ser lida neste link.

3 comentários:

  1. Olá. Tenho um familiar próximo autista. Ele vai ingressar no 5º ano este ano e estamos preocupados pois a escola para onde ele vai nunca se deparou com nenhuma criança autista nem com as suas necessidades especiais.
    Gostaria de saber se tem informações acerca de quais as escolas que possuem as necessidades necessárias para crianças autistas, públicas. Sabemos da existência de uma escola própria para autista, em Lisboa, mas é privada e fora do nosso alcance económico. Se tiver informação de quais as escolas mais bem preparadas ou especiais para autistas, públicas, especialmente na zona do Porto, agradeceria a informação.
    Desde já obrigada e bom trabalho na divulgação do autismo!

    ResponderExcluir
  2. Olá ! gostaria de ter mais informações sobre os atendimentos ? estou com prjetos de me mudar e quero ir pra a zona rural tem alguma referencia para me orientar ?

    ResponderExcluir
  3. Olá eu tenho um filho autista, preciso de uma escola especial para ele, como eu faço, ele tem 4 anos e não fala, mais ele entendi muitas coisas, ele vai fazer o ano que vem, jardim 1, o que eu faço preciso matrícular ele em uma escola especial, por favor me ajudem.

    ResponderExcluir